Pages

segunda-feira, 7 de abril de 2014

A Globo é grande, mas a Petrobras é maior. Precisa exigir direito de resposta exemplar.


Nas últimas semanas a Petrobras sofreu todo tipo de ataque no noticiário com informações falsas sobre a compra da refinaria de Pasadena.

A TV Globo, em sintonia com a oposição tucana, fez do Jornal Nacional um novelão anti-Petrobras com capítulos diários.

Toda vez que o telejornal disse que foi ouvir a Petrobras, a empresa respondeu, quase sempre, que abriu uma sindicância interna para apurar os boatos e denúncias em questão e teria resposta em 45 dias.

A TV Globo mandou ver na "reporcagem", divulgando números irreais, comparando banana com laranja, misturando custos de estoque, de outra empresa de trading e até custos operacionais como se fosse custo de compra da refinaria. Repetiu boatos de que a refinaria valeria só US$ 42 milhões, e que a Petrobras teria tido um prejuízo de mais de US$ 1 bilhão na compra, o que é mais falso do que uma nota de R$ 3.

Pois bem, quando a Petrobras tiver o resultado da sindicância deve, primeiro, pedir "amigavelmente" direito de resposta para cada informação falsa divulgada e com o mesmo espaço. Como a Globo provavelmente, como sempre faz, só aceitará colocar o William Bonner lendo um lacônico texto de alguns segundos, a empresa precisa usar seu departamento jurídico para exigir o direito de resposta pleno, proporcional ao agravo.

Ou seja, precisa exigir na justiça o direito de mostrar didaticamente dentro do Jornal Nacional os infográficos mentirosos divulgados comparados aos verdadeiros números.

Como a justiça costuma ser lenta nestes casos de direito de resposta, a Petrobras deve, além de divulgar maciçamente na Internet, convocar entrevista coletiva para assim os outros canais de TV noticiarem a verdade, caso a Globo se recuse. Nesta entrevista coletiva deve confrontar didaticamente as informações verdadeiras com as falsas divulgadas pela TV, jornal ou revista A, B ou C. E disponibilizar vídeos, powerpoint, etc, na internet.

Se for preciso, pode até fazer um anúncio no intervalo comercial do próprio Jornal Nacional, esclarecendo que está sendo obrigada a pagar para ter direito de resposta negado pela emissora.

O mesmo vale para os jornalões e revistas, mas com certeza a TV atinge um público maior, produzindo danos maiores à marca da empresa.

Não se trata de retaliação e nem de politização. É algo que qualquer empresa grande, inclusive privada, faria se sofresse o mesmo ataque. Aliás, empresas privadas iriam além, pedindo indenizações milionárias.

É a única forma de acabar com a molecagem no noticiário, pelo menos no que diz respeito à uma empresa como a Petrobras.

Em tempo: Não se discute que qualquer dúvida sobre a lisura de atos devem ser apuradas com seriedade e rigor, coisa aliás que é rotina em uma empresa como a Petrobras, totalmente submetida a controles externos. Precisa ter as contas aprovadas pelo TCU, está sempre à disposição do Ministério Público Federal e da CGU. Além disso tudo, tem ações negociadas até em bolsas internacionais, precisando prestar contas aos acionistas.

Também não se discute a liberdade de imprensa para noticiar, mas quando é usada sem a devida seriedade, tem que haver pelo menos direito de resposta proporcional. Sem direito de resposta, a liberdade de imprensa não existe, pois só um lado tem voz. E liberdade só para uns dizerem o que bem entende é falta de liberdade para outros.

É mais do que sabido que a compra inicial de 50% da Refinaria em 2006 foi por um valor de mercado até barato para a época e o negócio estava dentro da estratégia de negócios da empresa. E que outros 50% foram adquiridos por valores avaliados por perícia na justiça estadunidense. Portanto não houve negociata, houve disputa judicial. O que se pode discutir são as razões que levaram ao desentendimento com o sócio e a disputa judicial. Se houve ou não negligência ou má-fé de alguém neste processo.

5 Comentários:

castro carvalho disse...

A Plataforma de Petróleo P36 AFUNDOU ou foi AFUNDADA?

Quando uma plataforma de petróleo AFUNDA ou é AFUNDADA, quem ganha com isso?

Precisa TAMBÉM SER INVESTIGADO.

Sergio Ricardo Mattos disse...

Caros ocorre que nínguem no Governo tem coragem sou um petista envergonhado de tanto apanhar.O governo precisa entender que a Petrobrás é patrimônio Nacional que necessita ser defendido.

Maria de Lourdes da Silva Miranda disse...

E por que a Petrobras continua a fazer propaganda na Globo e a patrocinar os eventos realizados pela Globo. Nunca vou me esquecer que, numa manhã, assistindo ao Bom Dia Brasil, o Alexandre Garcia disse, de forma muito clara e contundente que a Petrobras não precisava fazer propaganda, pois em cada esquina tinha um posto com a bandeira Petrobras. Neste caso, concordo plenamente com ele .Então repito, por que o governo da presidenta Dilma continua a financiar seus próprios algozes, ou seja, a midia?
Depois de toda esta campanha contra a Petrobras com o objetivo de detonar o governo, seria mais do que justo que a PETROBRAS parasse, de vez, com suas propagandas na mídia. Por que a COMUNICAÇÃO no governo Dilma é tão fraca, tão mole, sem ação, tão distante.
Dias destes, o governo federal entregou vários veículos para várias cidades, em Minas Gerais, mas todo crédito foi para o governo estadual.
Remédios de graça, desconto na conta de luz... tudo quem faz é o governo estadual.
Cadê a comunicação do governo federal?

José Henrique disse...

Estou Indignidado com tamanha falta de comunicação do governo não só em relação à Petrobras, mas em todo noticiário contra o Governo. É de lamentar a pequenez do nosso governo em relação a Globo e a grande mídia. É só suspender a publicidade do governo por 3 meses e esses sem vergonhas que mamam nas tetas do governo não sobreviveram. Voto na Dilma porque ainda não apareceu ninguém melhor do que ela e Lula.

Orlando Jr. disse...

Direito de resposta Já! E no estilo do Leonel Brizola!

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração