Pages

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Nem a ditadura militar proibia eventos do 1º de maio: Doria avisa CUT que não permitirá 1º de Maio na avenida Paulista



Segundo coluna de Mônica Bergamo na Folha de São Paulo, o prefeito João Doria teria vetado que a CUT realizasse o ato de 1º de maio, dia de luta do trabalhador, na Avenida Paulista, no centro da capital paulista.

De acordo com o artigo, a prefeitura manteria um acordo com o Ministério Público e, nesse sentido, só permitiria três eventos na via: a Parada Gay, o Réveillon e a corrida de São Silvestre.

Esta decisão de Doria é mais um ataque do tucano aos trabalhadores e à suas mobilizações. O prefeito que, demagogicamente, se autodenomina “trabalhador”, se mantém na linha de frente contra os trabalhadores, desta vez proibindo sua mobilização, ação digna da ditadura militar.

A CUT afirma que já realizou o 1º de maio duas vezes na Avenida Paulista e que o playboy tucano ignora que aos domingos a via é fechada para eventos de lazer. O 1º de maio deste ano deve ser o terceiro ato de 1º de maio realizado pela CUT na Paulista. Os trabalhadores devem responder à ação ditatorial de Doria com uma grande mobilização, que virá fortalecida da greve geral. O 1º de maio é o dia internacional dos trabalhadores e é um dia em que os trabalhadores respondem a suas próprias organizações e não aos patrões. É preciso ocupar a Avenida Paulista contra Doria e os golpistas.

2 Comentários:

Gugu Ramos Mello disse...

O que esperam para fazerem ¨balançar ¨ as antenas da Globo.Façam manifestações nas portas da Globo e suas afiliadas. Fora isso, é enxugar gelo.

redomona disse...

POIS NÓS NÃO PERMITIREMOS QUE VOCÊ ASSUMA POSTO NENHUM NO BRASIL A NÃO SER DE CABUNGUEIRO!!

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Não publicamos comentários anônimos

Obrigada pela colaboração