Pages

sábado, 24 de março de 2012

A entrevista de Dilma à revista Veja e a bola-da-vez na 'faxina'

A presidenta Dilma concedeu entrevista, no Palácio do Planalto, para a revista Veja, que foi matéria de capa desta semana.

O que os amigos leitores pensam disso?

Deixando de lado os sentimentos, dos quais já escrevemos aqui em situação anterior semelhante, vamos a análise fria política.

Obviamente uma entrevista destas tem mais significado político do que jornalístico, pois a revista faz oposição escancarada e desleal à Presidenta desde quando ela era pré-candidata.

A revista continua fazendo oposição até na introdução da entrevista, quando alfineta a Presidenta:
Como pano de fundo da semana caótica, havia o fato de Dilma ainda não ter convencido a opinião pública de ser a grande gestora que o eleitorado escolheu para governar o Brasil em 2010. Como escreve nesta edição J.R. Guzzo, colunista de VEJA, capturando uma sensação mais ampla, “a maior parte das atividades do governo brasileiro hoje em dia poderia ser descrita como ficção”. Mas Dilma não estava nem um pouco tensa quando recebeu a equipe de VEJA (Eurípedes Alcântara, diretor de redação, e os redatores-chefes Lauro Jardim, Policarpo Junior e Thaís Oyama) na tarde de quinta-feira passada para uma conversa de duas horas em uma sala contígua a seu gabinete de trabalho no Palácio do Planalto, em Brasília. 
Dilma está com aprovação popular alta, economia sob controle, e ao contrário do que dizem, a crise na base governista é no fisiologismo, e não no governo.

Nesse quadro, ela não precisa de exposição na revista. Demorou 1 ano e 3 meses na presidência para atender as solicitações de entrevista para a Veja. Para a revista Carta Capital ela concedeu entrevista exclusiva em agosto de 2011 (um tempo também longo desde a posse, mas nada parecido com o chá-de-cadeira aplicado à Veja).

Então porque conceder tal entrevista agora, se não estava precisando?

Primeiro é preciso entender que Dilma já deu mostras de ser daquelas governantes que governam com o sentido de missão, e cumpre as missões que considera importantes, independentemente de serem desagradáveis ou espinhosas.

Segundo, é o momento mais oportuno para Dilma diante dos influenciáveis pela revista. A Veja passou meses tentando desestabilizá-la, misturando denúncias verdadeiras com falsas para derrubar ministros, alguns inocentes, visando emplacar com a oposição uma CPI do fim-do-mundo que derrubasse a Presidenta, fosse nas eleições de 2014, fosse antes. Foi um tiro no pé. Pois a aprovação popular da Presidenta subiu, e é a oposição quem está com duas CPI's indigestas na fila: da privataria tucana e do Carlinhos Cachoeira. Além de ter o "aloprado" senador Álvaro Dias (PSDB/PR), que quer uma CPI da Saúde com base nas ambulâncias da empresa Toesa, denúnciada no "Fantástico", que explode no colo de José Serra (PSDB/SP).

Ao mesmo tempo, a correlação de forças de apoio na base governista mudou. Há fila de gente querendo entrar, como a turma do PSD de Kassab. E quem diz querer sair está blefando. E, com isso, Dilma pode tornar-se mais exigente na composição do governo. Por que falar em "crise" quando, em vez de só os partidos pressionarem a Presidenta por espaço no governo, ela também pressiona os partidos? É do jogo político.

Nesse contexto, é que o momento atual da entrevista faz sentido. Pois fica mal na fita parlamentares e partidos que batem de frente com a Presidenta, passando a imagem de chantagem, com ameaças de votações no Congresso.

A lógica acima é válida, mas a revista não é mais tão influente assim, a ponto de uma entrevista, mesmo com a Presidenta fazer tanta diferença.

Então vamos ao terceiro ponto, uma hipótese, por enquanto.

Dilma, com o simbolismo da entrevista, dá mostras de não ser revanchista, nem de perseguir quem a persegue.

Assim a revista não poderá querer se fazer de vítima, se vier a ser a bola da vez na "faxina", não por iniciativa da Presidente, mas pelos próprios atos cometidos pela revista, que vão caindo na malha fina das investigações da Polícia Federal.

A revista tem adotado práticas jornalísticas temerárias e até criminosas, como no caso da tentativa de um seu jornalista invadir um quarto de hotel em Brasília.

A revista está sob suspeita de manter uma proximidade prá lá de esquisita com o esquema Carlinhos Cachoeira, como adverte Luis Nassif na nota "A associação da mídia com o crime":
Está na hora de se começar a investigar mais a fundo a associação da Veja com o crime organizado. Não é mais possível que as instituições neste país - Judiciário, Ministério Público - ignorem os fatos que ocorreram.
Está comprovado que a revista tinha parceria com Carlinhos Cachoeira e Demóstenes. É quase impossível que ignorasse o relacionamento entre ambos - Demóstenes e Cachoeira.
No entanto, valeu-se dos serviços de ambos para interferir em inquéritos policiais (Satiagraha), para consolidar quadrilhas nos Correios, para criar matérias falsas (grampo sem áudio).
Até que a Polícia Federal começasse a vazar peças do inquérito, incriminando Demóstenes, a posição da revista foi de defesa intransigente do senador (clique aqui), através dos mesmos blogueiros das quais se valeu para tentar derrubar a Satiagraha.
E há um depoimento à Polícia, onde o PM João Dias, envolvido no desvio de dinheiro do Ministério dos Esportes, aparece participando de uma reunião onde se fala em levantar 150 mil para comprar o silêncio da revista Veja. Curiosamente, a revista sempre poupou o PM, omitindo-o do noticiário, só vindo a aparecer com a imagem de "delator", sempre desviando o foco da obrigação dele em devolver R$ 4 milhões aos cofres públicos cobrados pelo Ministério dos Esportes. Confira aqui.

Por fim, cabe lembrar da inconveniência em, querendo ou não, acabar por prestigiar a revista com a entrevista, fortalecendo-a. Mas da mesma forma que a revista não é mais tão influente, não será esta entrevista que irá salvá-la da decadência em curso.

15 Comentários:

Leilane disse...

Zé Augusto
Realmente Veja é a "bola da vez da faxina" depois desses envolvimentos com um monte de trampa, como diz o PHA, o detrito de maré baixa, agora vai. Eles não terão coragem de mudar uma virgula do que a Presidenta declarou. Eles estão urgentemente precisando de um minimo de credibilidade. E a Dilma qdo eleita disse que iria governar p tds. Ela tem q se fazer ouvida por tds os seguimemntos da sociedade, seja atraves de Veja, de Carta Capital, do Luis Nassif, enfim de quem ela entender q será ouvida e terá repercussão.
Abçs
Leilane

paulo chacon disse...

Ai que saudade do LULA. Ele jamais abriria as portas do Palacio para esta corja demotucana.

Anônimo disse...

Se é preciso escrever um baita texto para explicar a decisão pela entrevista...
Ary

josé lopes disse...

Olê, olê,olê olá "Os Amigos do Lula" está botando prá quebrar! Não é atoa que é o blog mais copiado do Brasil!

Edivaldo disse...

Errada é a Dilma em dar entrevista a revista.Ela também prestigiou o Otavinho nos 90 anos da Folha.Por isso, em 2014, só me esforçarei para ajudar a eleger Sérgio Gabrielli para governador da Bahia.A Dilma que se vire.

jose ricardo disse...

Não seria bom acusar a Dilma de dar uma no cravo e outra na ferradura. Mas nem isso é possível. Na verdade a defesa que ela faz de seu perfil político, se é que tem algum, é pífio para não dizer nulo. Dilma tem, politicamente, um comportamento errático e são suas ações disparatadas que permitem que se conclua isto.

jose ricardo disse...

Não seria bom acusar a Dilma de dar uma no cravo e outra na ferradura. Mas nem isso é possível. Na verdade a defesa que ela faz de seu perfil político, se é que tem algum, é pífio para não dizer nulo. Dilma tem, politicamente, um comportamento errático e são suas ações disparatadas que permitem que se conclua isto.

Voidacarol disse...

Que maravilha a matéria acima! Ferrou o prego no caixão da Veja. E, mais uma vez, viva a Policia Federal que segue passando o rolo compressor nas vestais deste país. E três vivas para nossa Presidenta!

Anônimo disse...

Caiu a máscara da Veja. Agora de forma definitiva http://www.advivo.com.br/node/834247

Celso disse...

Acho que a Dilma fez bem em conceder a entrevista.
Sabemos que a editora Abril representa o que há de pior na impressa brasileira.
O custo beneficio ainda é posiivo.
Pode ser que algum leitor descuidado desta revista mude sua apinião a respeito da Dilma.

Luis R disse...

Como não sou governante, exerço o meu direito de ser revanchista e de cobrar isso dos atuais governantes ditos de esquerda e continuo a achar um equivoco a presidenta dar entrevistas a Folha, Veja e Globo, basta e, como não sou conivente com essas empresas criminosas, penso que devem ser sumariamente fechadas.

alício disse...

O Gurgel é prevaricador? Fecha os olhos para oposição e arregala para a situação? Mexa-se Gurgel! O Brasil pede urgência no caso cachoeira-demóstenes.Abra o olho Gurgel.Foi o maior erro de Lula.

Edivaldo disse...

Agradeço pela publicação do meu comentário.Se fosse no blog da Dilma ele não seria publicado.
Sou eleitor do PT desde 1994.Me reservo o direito de criticar esse partido que tanto gosto.Critico pôs quero vê-lo cada vez mais útil ao desenvolvimento do país.Mas alguns não entendem e simplesmente vetam meus comentários.Não comento mais nada no blog da Dilma,na verdade não o acesso faz mais de 2 meses.

JOSE LUIZ DOS SANTOS disse...

A revista Veja, TV CULTURA, FOLHA DOS TUCANOS,REDE BOBO TELEVISAO SAO OS VERDADEIROS MILITANTES POLITICOS DO SERRA, POIS SERRA NUNCA FOI POVO.

Nelson disse...

Não me interessa este lero-lero de quem é quem e sim me preocupo com a estatística indesmentível de que a carga tributária aumentou demais este ano,somando números absurdos e o caos instalado na Saúde, Segurança, Educação, Transporte e etc, etc etc... "Só vou fazer o o impossível para contemporizar" é muito pouco.

Postar um comentário


Meus queridos e minhas queridas leitoras

Devido os excessos de falta de educação e respeito de alguns comentaristas, e, para que o blog não tenha problema judicial, a partir de hoje o blog não publicará comentários anônimos.

Para você comentar usando seu nome, aqui vai o passo a passo.

1). Clique na palavra comentário no final do post

2). Ao abrir a página dos comentários, vá em COMENTAR COMO.

3). Clique em SELECIONAR PERFIL

4). Se você tem um email do Gmail, clique em contas Google.

5). Escreva seu comentário

6).Clique em enviar

7).Quando você clicar em enviar, vai abrir para você a página do seu email.

8).Basta você colocar seu login e senha.

9).Pronto! Seu comentário foi enviado para o blog

PARA VOCÊ COMENTAR USANDO SEU NOME:

1).Clique em: NOME/URL

2). Vai abrir uma “janelinha” pra você colocar seu nome .E o URL, (endereço do seu blog), se você tiver um blog. Se você não tem, não precisa colocar nada

3).Coloque seu nome

4).Clique em continuar

5).Escreva seu comentário

6).Clique em comentar

7).Pronto. Você já comentou. Basta aguardar seu comentário ser lido, aprovado. Em seguida ele vai aparecer no post que você comentou.
Viram, como é simples?

Muito obrigada por nos ajudar e colaborar com o nosso blog